Guest Post: A China na minha vida…

This is a guest post by the Brazilian expatriate residing in China. This post explains her experiences and story as she came to live in China, the blog post is in Portuguese:
…….

 

Hoje vou falar um pouco de como a China entrou na minha vida e acabou se tornando mais do que morar num outro país. A China realmente mudou a maneira de viver e ver o mundo, não só minha, mas da minha família também.

 

São 10 anos de convivência e aprendizados diários, eu digo sem exageros, com esse país, sua cultura e a aventura de se reinventar.

 

Com o único objetivo de atualizar a família e os amigos, comecei em 2010 a escrever o blog ‘China na minha vida’, porque não é simplesmente a minha vida na China… Na realidade sempre falo que a China invadiu minha vida, que até aquele momento já estava numa fase de ‘zona de conforto’ que sentimos quando estamos perto doa 40 anos: filhos quase adolescentes, profissão, emprego, a vida indo na direção correta, sem muitos ventos contra.

Eis que para contrariar tudo e todos, as circunstâncias nos trouxeram para cá. Claro que a principio foram somente seis meses – os seis meses mais longos das nossas vidas (rs) – e a coisa foi esticando por mais seis, mais uma ano, até que em 2008 veio a proposta de anos direto, que passando a régua, chegamos nesses 10 citados no inicio.

E aqui fui convidada a escrever e republicar alguns artigos interessantes do blog, que falam sobre a adaptação, problemas com a língua, o recomeçar e também sobre as belezas e curiosidades que a China em seus mais de cinco mil anos de história tem para nos oferecer.

A história começou em 2004, com os tais seis meses que citei. Nada demais. Mas depois de dois meses no Brasil, ele teve que retornar por mais quatro meses, aí eu vim conferir o que havia no outro lado do mundo, como conto no texto abaixo, uma das primeiras publicações do blog.

Primeira impressão… Meu Deus!!!

Em julho de 2005, começou a minha aventura em descobrir esse inusitado país. Eu imaginava que seria a única vez que iria para esse lugar, afinal o contrato do Mário ia só até meados daquele ano. Realmente nossa vida é uma caixa de surpresas.

Chegamos a Beijing (Pequim no ocidente). Meu Deus… O que era aquilo! Naquela época, faltando 3 anos para as Olimpíadas, Beijing era um canteiro de obras. Nunca vi tantos guindastes juntos, depois fiquei sabendo que a China é o país que possui o maior número de guindastes em operação no mundo! Realmente era verdade, estava vendo com meus próprios olhos.

Fora isso a quantidade de gente, de bicicletas, de carros… Tudo aqui é sempre muito, sempre grande, sempre ostensivo, sempre exagerado. Imaginei um lugar feio, sujo, sem estrutura (o que depois vi que realmente acontece nos locais fora do alcance dos olhos do estrangeiro/turista). Ledo engano. A começar pelo aeroporto, algo indescritível, com esteiras rolantes para se locomover de tão grande (e nessa época a obra estava inacabada!). Fomos visitar os templos, a Cidade Proibida (Forbiden City) e a Muralha da China (Great Wall), o Palácio de Verão (Summer Palace). A arquitetura de uma grandeza absurda, de uma beleza impossível de descrever com palavras. Os detalhes das construções, das pinturas, dos objetos. Apesar dos locais estarem bastante abandonados e desgastados pelo tempo. E, como sabemos, a falta de interesse do governo em preservar os monumentos na época da Revolução Cultural estava refletida nesses prédios. E os mercados de compras… Imaginem uma ‘25 de março’ ampliada, multiplicada por 1000. Uma loucura… Mas esses detalhes conto depois.

Depois de três dias em Beijing chegamos à Chang Chun. Foi nessa hora que as fichas caíram: estou na China. O aeroporto contrastando terrivelmente com o da capital, me lembrava uma rodoviária velha do sertão da Bahia. Algo assim bem catastrófico mesmo. Me senti numa cena daquele filme da Fernanda Montenegro, Central do Brasil. Hoje esse aeroporto foi desativado e existe um lindo, super moderno e acho que até grande demais pelo tamanho da cidade. Descobri também que Chang Chun é uma cidade de contrastes a olhos nus. Diferente de Beijing e de Shanghai, onde vivo hoje.

Para finalizar essa introdução, voltei ao Brasil sozinha e continuei muitas vezes indo e vindo nessa ponte-aérea maluca entre Brasil e China. Isso durou até dezembro de 2008. Nesse tempo fiz 7 viagens à China. Teve um ano que fui e voltei 3 vezes. Meu corpo já não sabia mais se acordava ou dormia, pois com o fuso de 11 horas, embaralha tudo mesmo. E a cada seis meses vivíamos a expectativa do fica ou vai… E foi ficando, ficando… Posso dizer que o Mário já está plenamente adaptado e temos até a impressão que seu olho está meio puxado.

Em setembro do ano passado, depois de sabermos que seu contrato não seria prorrogado de novo em dezembro, ele recebeu a proposta de mudar para Shanghai com um contrato de 3 anos. Me ligou, contou e foi categórico: chega dessa brincadeira, só fico se você vier de vez. Também estava cansada. No começo era divertido, novidade, uma situação inusitada. Mas já estava no limite, alguma mudança teria que ocorrer.

De outubro a dezembro minha vida virou de pernas para o ar, decidir sobre mudança, emprego, filhos, escola, o que fazer com a casa, os móveis, assinaturas de revista, contas….TUDO!!!

E finalmente dia 9 de janeiro de 2009, estávamos colocando os pés em Shanghai, para ficar.

Achei interessante situar como toda essa história da “China em minha vida” começou e agora posso contar um pouco das coisas que vi, vivi e aprendi nesse País pelo qual aprendi a gostar e respeitar, com toda a sua diversidade.

Saudades do Brasil? Muitas… Principalmente da família, dos amigos, das pessoas queridas. Mas agradeço a Deus pela oportunidade única de estar vivendo essa experiência, de estar conhecendo meus limites, aprendendo todo o dia. Sempre falo que se alguém não aprender a lidar com a ansiedade e a paciência jamais conseguirá viver aqui. É um exercício diário.

E agora?

Se você gostou e quer saber mais um pouco de ‘como tudo começou’, clica no link que te conto mais um pedaço dessa inusitada história!

Zài Jiàn!

Bye, bye! Ou

Tchau!… como preferir! =]

About the Author:

After Christine Marote spent 4 years traveling between Brazil and China (Chang Chun, Jilin Province), Christine decided to move to Shanghai in January of 2009. In 2010 she decided to create a blog and share her experiences as a Brazilian expat living in China, and soon her blog became a source of information for foreigners and expats like her that have decided to live in China.

Her blog ‘China na Minha Vida’ describes Christine’s experiences, language challenges, cultural differences and curiosities, and the rich and diverse culture of China in an interesting way.

Christine is Brazilian, holds a degree in Education, and a Masters in Chinese Business and Culture from Jiaotong University.